Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplesmente Simples

Ter | 29.05.18

E Tu, Acreditas?

O menino João tinha um problema, ele não acreditava. Em conversa com a mãe lamentava-se:

-Mama, eu não acredito em nada e os meus colegas estão sempre a gozar comigo porque não acredito.

Ao que a mãe responde: - Oh querido, mas não acreditas no quê, mais especificamente?

- Mama, eu não acredito no pai natal, sei que não existe. Não acredito que seja capaz de quando crescer ser bombeiro, como eu gostava, não acredito que o Manuel consiga ser futebolista, não acredito que a Maria possa ser médica… Mama, não acredito em nada.

Assim, a mãe questiona o João: -Filho e como sabes que não acreditas?

-Mama, eu acredito que não acredito!

Seg | 21.05.18

Esperas ou Desesperas?

32215084_1875476799150310_7496565424587276288_n.jp

 

Quem espera desespera. // Quem espera sempre alcança.

 

Qual das crenças tens como verdade na tua vida? 

 

Acredito que temos de saber esperar, nem sempre é o momento ideal para dar o passo, nem sempre estamos preparados para o universo  nos presentear com isto ou aquilo. Saber esperar é fundamental, eu acredito, que quem espera sempre alcança. 

 

Contudo nesta frase subentende-se uma espera passiva, e eu defendo uma espera activa! Deves esperar o momento indicado, sim. Contudo deves mover-te, preparar-te, fazer o que está ao teu alcance. Ser corealizadora da tua vida e da mesma forma saber esperar, porque tudo vem no momento certo e à hora certa. 

 

Quem fala na espera tem de falar também na paciência, ambas estão ligadas e, claro, o nosso nível de paciência é variável e instável. 

 

Na sociedade em que vivemos tudo se desenrola no modo fast: fast food, fast relações, fast vidas sem pausas e silêncios. E sim, a paciência e o esperar são conceitos cada vez mais raros, talvez em vias de extinção. Talvez no seguimento da evolução fast da sociedade tenha surgido a crença de que quem espera desespera.

 

Talvez não haja uma verdade absoluta, mas neste momento, na pessoa que sou hoje e na vida que levo, acredito que quem espera sempre alcança. E tu, em que decides acreditar? 

Sab | 12.05.18

Pizza de Couve Flor

7CBBA43E-13B7-46E9-B116-3B8164E6C2A9.jpeg

F30A999D-AD66-4AFE-A31A-3F6960463335.jpeg

 

Quem não adora pizza? Claro que a pizza tanto tem de amada como de odiada. A receita de hoje surge da recriação saudável da tradicional pizza. Experimenta e conta-me se gostaste 😊

 

Ingredientes:

// 1 couve flor pequena

// 3 colheres de sobremesa de pão ralado sem glúten

// 1 colher de sobremesa de levedura de cerveja

// temperos a gosto (eu utilizei salsa, cominhos, noz moscada, açafrão, gengibre e pimenta caiena)

// 2 ovos

 

Preparação:

Parte a couve flor em pedaços pequenos e coloca no processador de alimentos até formar uma espécie de farinha.

Junta os restantes ingredientes e mistura tudo até obteres uma massa homogénea.

Coloca a massa num tabuleiro e leva ao forno pré-aquecido até dourar.

Agrega os ingredientes que mais gostas na pizza e coloca novamente no forno até os ingredientes estarem cozinhados.

 

Bom apetite!

Qui | 10.05.18

Corpo de Rede Social?

32235455_1873992975965359_3669957929894674432_n.jp

 

O post de hoje surge em espécie de desabafo. Há algo que me incomoda, que não considero estar correcto (dentro do que correcto significa para mim), que penso não nos levar num bom caminho.

 

A fazer zapping pelas redes sociais dei por mim a ler as descrições de algumas pessoas. E o que me incomodou? Uma grande maioria descreve-se pelos kgs que perdeu. Sou a primeira pessoa a defender que se estamos insatisfeitos com algo devemos mudar, mas até que ponto o ser saudável, o ter um corpo perfeito está a tornar-se uma obrigação? Perdemos peso porque nos queremos sentir melhor connosco mesmos e mais saudáveis ou porque não nos enquadramos no padrão do corpo e estilo de vida saudável da sociedade?

 

Talvez as pessoas queiram inspirar outras a mudar, talvez o perder peso seja a prova de que se ela mudou tu também possas mudar. Mas a verdade é: nós vemos fotos de momentos chave, vemos refeições instagramáveis (termo tão bem usado pela urbanista). Assim, preocupa-me o exemplo que as novas gerações têm como sendo o corpo ideal e alimentação saudável. Preocupa-me que se busque inserir neste ou naquele padrão em vez de buscarmos o nosso próprio equilíbrio. Preocupa-me que sigamos exemplos de redes sociais como o tipo de pessoa que quero ser, quando tantas vezes essa pessoa e essa rede social esconde compulsões alimentares, distúrbios, depressões...

 

Será que existe realmente um corpo ideal? Quem te garante que tendo esse tal corpo vais ser mais feliz?

 

 Aprendamos a amar o nosso corpo tal como ele é! Aprendamos a comer saudável e mexer o corpo porque nos faz bem, porque nos sentimos bem assim, e não porque quero alcançar aquela barriga ou aquele músculo. 

 

A propósito disso, a falta de amor pelo corpo, há alguns dias vi um documentário que recomendo: Embrace. A moral deste é mesmo o de aceitar-mos e amarmos o nosso corpo, independentemente das suas formas, tamanho ou cor.  

 

O nosso corpo é o nosso templo e devemos amá-lo e zelá-lo com essa consciência!

 

Se não estás feliz com algo, muda. Talvez nas redes sociais até encontres a inspiração que precisas para dar aquele passo, mas nunca te esqueças que uma fotografia nunca mostra toda a realidade, não mostra se a pessoa é realmente feliz com aquele corpo ou não. Podes até alcançar o teu peso de sonho, seja para mais ou para menos, mas isso não significa que serás mais feliz. A tua felicidade está sim no amor que nutres por ti enquanto pessoa e não enquanto aparência! Abraça a tua essência e ama o teu corpo!

 

Ter | 08.05.18

Bolinhas Verdes

31963867_1872070272824296_6149038359093182464_n.jp

 

Hoje trago-vos a receita de um óptimo snack saudável. As bolinhas energéticas estão na moda, mas por mim, que seja uma moda que perdure, pois são super práticas e versáteis.

Eu deliciei-me com as minhas bolinhas na pausa do trabalho. E tu, onde te vais deliciar?

 

Ingredientes:

// 150g de amêndoa

// 1 colher de café de spirulina

// canela q.b.

// 1 colher de sobremesa de sementes de chia

// sumo de 1 laranja

// 1 colher de sobremesa de óleo de coco

 

Preparação:

Coloca as amêndoas num processador de alimentos até estarem bem trituradas.

Junta os restantes ingredientes e bate tudo até obteres uma massa homogénea e pegajosa.

Molda as bolas e coloca no congelador durante 1h para consolidarem.

Coloca as bolas num recipiente fechado no frigorífico.

 

Simplesmente delicia-te!

 

Seg | 07.05.18

Deixa Brilhar a Tua Luz

 Bom dia! 

 

Hoje venho relembrar-vos de que nada mais somos que luz!

Não somos os nossos erros!

Não somos a história da nossa família!

Não somos os nossos medos!

 

Somos seres de luz sempre a tempo de mudar!

Que os nossos ombros só carreguem leveza e que todas as nossas células transpirem liberdade!

 

Desejo-vos uma optima semana repleta de sorrisos:D

Qui | 03.05.18

O Que Procuras Está Dentro!

31506207_1863194453711878_1140022751449317376_n.jp

 

Alguma vez ouviste que não eras corajosa o suficiente? Consideras que não és aventureira o suficiente? Que recursos gostarias de ter/ser?

 

Hoje afirmo-te: Tens em ti todos os recursos! Durante anos e anos ouviste que todos os recursos estão fora, mas hoje venho garantir-te que tudo está dentro de ti!

 

Todos passamos por fases difíceis na nossa vida, independentemente do que a palavra difícil represente para cada um de nós, a vida apresenta-nos sempre desafios e obstáculos suscetíveis de ultrapassarmos.

 

A minha vida não é excepção, tive (e tenho) os meus momentos menos bons, as minhas pontes para atravessar e batalhas por conquistar. Ao longo de um desses processos (que hoje considero mesmo uma metamorfose) vivi 2 dias sem electricidade, o que implicou não ter água quente; vivi cerca de 8 meses sem internet em casa, somente utilizava os míseros 500mb de dados móveis no telemóvel e aproveitava todos os sítios públicos que me forneciam internet, e cerca de 2 anos sem carro.

Estamos a falar de coisas, chamemos até - bens materiais, que hoje sem dia se revelam essenciais. De tudo, apesar do menor tempo, a electricidade e a internet foram os recursos mais difíceis de viver sem. Abordando bens materiais ou luxos - se assim o considerarem, a falta destes era coerente com a forma como me sentia: vazia. Recuperava de uma relação mal terminada, tinha mudado de trabalho e cidade, para uma cidade totalmente desconhecida e a 630km da minha cidade natal e de tudo o que nos fortalece, a família e amigos.

 

Ainda hoje me questiono como sobrevivi, onde fui buscar forças, como me aguentei de pé quando a força e vontade tantas vezes me falharam… Mas por isso hoje te garanto: Tu tens todos os recursos em ti! Tudo está em ti adormecido, à espera do momento de se fazer ouvir e ver. Tens: coragem, perseverança, paciência, tudo o que possas imaginar! Acredita, no momento certo, nada te falta!

 

Quando te sentires perdida não paralises! Busca na tua bagagem, alinha-te com a tua coragem e passo a passo segue, o caminho faz-se caminhando!