Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplesmente Simples

Simplesmente Simples

Qui | 05.07.18

Quem Constrói a Tua Felicidade?

O dia de hoje começou de forma realmente nova e diferente. A história que se segue poderia facilmente ser transportada para anedota ou facilmente parecia daquelas histórias feitas que vêm nos livros, mas o certo é que estamos sempre a surpreender-nos. E hoje foi o dia da vida me relembrar que eu controlo os meus estados emocionais.

 

Ao sair de casa logo pela manhã fui abordada por uma senhora que me questionou:

- Menina, menina, sabe onde mora o professor Mambo? Disseram-me que ele morava aqui perto, era para destruir a infelicidade.

 

Educadamente respondi à senhora que não sabia, nem nunca tinha ouvido falar; e continuei o meu caminho rumo ao trabalho.

 

Durante o caminho para o trabalho reflectia e questionava-me: Em que momento coloquei a minha felicidade em algo externo? Quando deixei de assumir o controlo pela forma como me sinto? Será que alguém ou algo externo poderá mudar por completo o meu estado emocional?

 

Considero que a felicidade, tanto como os outros estados emocionais, vêm e dependem directamente de mim. Concordo que o exterior também poderá influenciar em certa medida, mas em primeira instância depende realmente de mim.

Talvez seja mais fácil desresponsabilizar-me pela forma como me sinto. Acabo por responsabilizar, o outro, o tempo, o dinheiro, e 1001 motivos que invento, tirando a responsabilidade de mim. 

 

Na minha vida aprendi que quanto mais me desresponsabilizo pela forma como me sinto, menos poder tenho sobre mim e sobre a minha vida. Quanto menos poder tenho, mais impotente me sinto, o que de forma directa me faz sentir menos feliz.

Assumir o controlo sobre a minha felicidade o que me poderá trazer?

Talvez sabendo que o empoderamento me traz mais liberdade, deverei assumir o controlo?

Será ecológico deixar a minha felicidade nas mãos do outro?

36609175_1943664195664903_4756187504451780608_n.jp

 

Ter | 03.07.18

Felizes (Re)Encontros

Durante muito tempo senti-me diferente. Sempre tive uma visão diferente em relação à vida comparativamente com os amigos e até com a própria família.

Vi durante muito tempo essa diferença como algo negativo, sentia-me como uma carta fora do baralho.

 

Valorizo cada vez mais o equilíbrio entre a mente-corpo-espírito, e esse equilíbrio também passa não por me sentir diferente, mas sim especial. Talvez possa ter opiniões diferentes em relação a algumas pessoas, mas e não temos todos?

 

Desta forma, talvez seja importante e interessante procurar o meu baralho, procurar pessoas com os mesmos interesses e formas de ver a vida. O que será que rodear-me de pessoas que valorizam o tal equilíbrio e que tem interesses próximos dos meus me poderá trazer? Será útil para mim rodear-me de pessoas inspiradoras?

 

No próximo sábado, dia 7 de Julho, haverá um feliz re(encontro) repleto de mulheres lindas e mágicas! O evento é gratuito mas requer inscrição no e-mail.

Poderá ser um (re)encontro simples e gratificante. Talvez até te possas (re)encontrar a ti mesma. 

99B9CF78-1890-4BD0-B57A-7DDD1180AE87.jpeg

 

 

Seg | 02.07.18

Sumo do Bem

36652144_1938814416149881_5213875737957761024_n.jp

 

Este Verão anda realmente tímido, mas no que toca a receitas, contínuo com esperança de que as receitas frescas relembrem o sol que está na altura de aparecer.

 

Ingredientes:

// 90g beterraba

// 1 laranja

// 1 colher de café de spirulina

// canela em pó q.b.

// gengibre em pó q.b.

// 1 colher de café de sementes de chia

// 200 ml água

 

Preparação:

Triturar todos os ingredientes numa liquidificadora.

 

Simplesmente delicia-te!

Pág. 2/2