Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplesmente Simples

Qui | 30.08.18

Energias Negativas: Como Me Proteger?

IMG_0201.png

Na minha vida durante muito tempo acreditei que as energias e pessoas que me rodeavam poderiam “contaminar” a minha energia. Acreditava que o meu estado de espírito era o resultado de cada interação pessoal e os ambientes que frequentava ao longo do dia. Tentei, de várias formas, proteger-me de más energias e de pessoas tóxicas. Cheguei a apegar-me a cristais, amuletos e rituais que, segundo alguém, me protegiam dessas energias menos positivas.

Mas será esse apego saudável?

E se por algum motivo, o cristal se partir, ou o tempo do relógio não me permitir realizar o ritual?

 

É recorrente ler aqui e ali, nomeadamente nas redes sociais, inúmeras pessoas perguntarem como se proteger. Lê-se frequentemente: “Lido com ambientes pesados e pessoas tóxicas, como me posso proteger? Como posso limpar a minha energia?”

 

Ao longo do tempo e aprendizagens a minha forma de abordagem desse assunto mudou de certa forma.

Acredito que a intenção (que está intimamente ligada ao foco) é algo muito poderoso, por isso, se realmente intencionar que o cristal A ou B me vai proteger, acredito que isso realmente aconteça. Mas estará relacionado com o cristal em si ou com a minha intenção?

Acredito em energias e em algo superior e que realmente, de certo modo, sou afectada pelas energias que me rodeiam. Também eu, que trabalho num hospital, sinto-me várias vezes afectada por energias mais densas e gosto de fazer os meus rituais de limpeza. 

 

Mas neste momento, levo o assunto um pouco mais além disso…

Preocupo-me com a interferência dos outros na minha energia, mas será que me preocupo com a minha energia em primeira instância?

Preocupo-me em como me proteger e filtrar das energias e pensamentos dos outros, mas será que filtro o meu próprio pensamento?

Preocupo-me com algo externo que entra na minha bolha, mas será que me preocupo com os alimentos que ingiro, que são a maior percentagem de energia de interferência directa que realmente entra no meu corpo e ser?

 

Talvez me possa proteger do que me é externo e incontrolável, mas talvez possa induzir a minha energia e estado de espírito, que é realmente controlável.

Talvez possa reduzir as pessoas tóxicas da minha vida, mas talvez também possa filtrar e induzir os meus pensamentos de antemão.

Talvez se controlar o meu estado, aquilo que me parece tóxico deixe de o ser, talvez aquilo que me parece menos positivo deixe de me afectar.

Afinal talvez eu possa controlar primeiro a minha energia e estado de espírito e talvez aquilo que me rodeia ganhe o seu verdadeiro significado – aquilo que ME RODEIA.

 

E se acreditasse que sou imune a energias que me rodeiam, o que poderia mudar na minha vida?

 

E se acreditar que quem me rodeia me pode ajudar a evoluir também de alguma forma?

 

O que poderei eu fazer hoje para elevar o meu estado de espírito?

 

 

Qua | 29.08.18

Será Que O Coração Também Fala?

O testemunho de hoje é o da querida Eunice.

Mulher corajosa de 29 largou um emprego estável e dinheiro certo no ramo imobiliário para seguir o seu coração e assim criou o seu lindo projecto. Nos tempos livres gosta de estar na natureza longe da azáfama da cidade.

 

 Desde pequena que sempre questionei o porquê das pessoas trabalharem em profissões que não gostam, de trabalharem muito sem se questionarem se as faz feliz ou não, apenas aceitarem uma realidade, não fazia sentido de todo para mim.

Na escola sempre gostei mais das aulas práticas, mas como maioritariamente eram aulas teóricas, basicamente toda a minha escola foi um pouco sofrida. Eu não entendia porque tinha de apender algo pelo qual eu não me interessava, mas como não tinha alternativa continuei até perceber o que realmente fazia sentido para mim.

Explorei algumas áreas até perceber o que gostava ou mais precisamente o que não gostava, não foi um processo nada fácil, porque não me identificava com nenhuma profissão dita “normal” e os anos passavam e eu sem saber o que realmente me preenchia a alma. Até que por brincadeira comecei a explorar a área da decoração, comecei a decorar a minha casa com elementos reciclados que encontrava na rua. Aí senti me no habitat natural, sentia que tudo fluía e nem precisava de fazer esforço nenhum, era natural, era orgânico. Devido ao apoio de amigos e dos meus pais, comecei realmente a acreditar que tinha potencial para trabalhar com as minhas mãos e criar algo simples, mas diferente. Sempre vi o artesanato como uma forma de expressão e criar algo com as nossas próprias mãos é realmente fascinante e terapêutico, mas nunca acreditei que podia viver disso e deixei um pouco de lado. Até que devido a uma insatisfação muito grande a nível profissional e pessoal eu decidi seguir o meu coração e largar o emprego com salário fixo onde estava infeliz. Senti uma enorme confiança em mim própria de que era o caminho certo, e de uma brincadeira de artesanato passou a ser a minha profissão que a faço mesmo de coração. É algo que faço em primeiro lugar para mim porque me dá prazer – eu própria testo os meus produtos só depois os vendo. Criei uma marca que se chama Blossom onde faço vários tipos de peças como filtros de sonhos com elementos da natureza, bolsas para tapetes de yoga,mochilas etc.

Apesar de trabalhar no que gosto, a minha vida nem sempre é fácil pois quando embarcas num projecto teu tens muita responsabilidade e basicamente fazes tudo sozinha, desde a criatividade, a confecção das peças, fotos, divulgação, site, etc. Basicamente passas a ser a mulher dos 7 ou 8 ofícios mas vale cada dia passado e sinto que se fazes de coração tudo se torna mais simples mesmo o que achas impossível. O que me ajuda na minha caminhada é rodear-me de pessoas positivas e alegres, de momentos simples mas plenos, mesmo quando os dias são escuros existe sempre uma luz ao fundo do túnel.

Acredito que vivemos em uns tempos que não dá mais para fazer o que não se gosta, chegou a hora de ir em busca do que realmente somos e queremos, pensarmos por nós próprios e deixarmos crenças e projeções limitantes. Cada ser humano pode ter vários propósitos de vida, eu própria adoro fazer artesanato mas “obrigo-me” a explorar mais áreas pois sei que tenho tantas capacidades dentro de mim. Capacidades que todos nós temos, são infinitas, vai e explora-as, confia em ti e tudo vem até ti.

 

O que poderá ganhar a minha vida com este testemunho?

Se não estou feliz no meu trabalho poderei eu seguir também o meu coração? E o que isso poderá mudar na minha vida?

 

Segue a Eunice: aqui!

Sex | 24.08.18

Criança de Sempre ou para Sempre?

3417DE70-4238-4CE0-BFAA-CAD9F77AC21B.jpeg

Há dias falava com alguém sobre um assunto muito abordado a nível do desenvolvimento pessoal e espiritualidade: a criança interior.

Quem falava comigo estava realmente transtornada porque não se recordava de grande parte da sua infância, é como se a infância fosse uma página em branco ainda por escrever.

 

Muito se fala e ouve que recordar a nossa criança interior é importante, que nos poderá trazer importantes informações explicando aquilo que somos hoje. Mas será que tem de ser assim? Será que, se eu não me recordar da minha criança serei hoje menos feliz? Será que, de alguma forma, essa busca pela memória da criança não poderá criar algum limite à minha liberdade de ser o que sou hoje?

 

Durante algum tempo da minha vida dei comigo a relembrar a minha criança e achei super curioso porque relativamente a uma pessoa em específico, que já não se encontra fisicamente entre nós, apenas residiam na minha memória as recordações menos felizes. Questionei-me pela razão; atormentei-me porque queria lembrar-me e não conseguia; até que, hoje sei e aceito que tudo é como é e está tudo certo. A minha memória foi selectiva, com uma intenção bastante positiva. Talvez a saudade parecesse maior, quantas mais recordações positivas fluíssem. Talvez quantos mais sorrisos, abraços e palavras de conforto recordasse, mais a saudade apertaria.

 

Acredito que há em mim uma criança, e haverá sempre. É ela que me leva a confiar no desconhecido, é ela que me faz ter  de que tudo é possível, é ela que me permite sonhar e criar antes de ver, é ela que me recorda da importância da inocência, é com ela que brinco com o meu amor pequenino.

 

Talvez a memória da minha infância não seja assim tão relevante… Até porque o termo criança interior é, por si só, como o próprio nome indica, a criança que trago dentro, e não a memória dessa criança.

Será benéfico para mim questionar o que se “vende” a nível de desenvolvimento pessoal?

Sei agora que talvez a busca de lembrar a criança não me simplifique o caminho nem me traga liberdade. Talvez eu possa primar pela simplicidade e pela liberdade. Se lembro a criança? Está tudo bem! Se não lembro da criança? Está tudo bem também!

Qui | 23.08.18

Papas Cruas de Aveia e Chia

foto.jpg

Gosto de começar o meu dia de forma tranquila e prazerosa, e este pequeno-almoço é algo que me ajuda bastante. Talvez a forma como começo o meu dia possa fazer diferença na forma como o dia vai acabar.

Pequenos almoços práticos, rápidos e saudáveis é tudo o que se quer e precisa.

Podes deliciar-te destas papas em casa ou até podes transportar facilmente.

 

Ingredientes:

// 2 colheres de sopa de flocos de aveia sem glúten

// 3 colheres de sopa de sementes de chia

// canela q.b.

// 1 colher de café de cacau em pó

// 160ml de bebida de aveia

 

Preparação:

Coloca todos os ingredientes num recipiente e mistura bem.

Coloca o preparado no frigorifico durante a noite e de manhã está pronto a consumir.

 

Bom apetite!

Qua | 22.08.18

Das Escolhas Que Podem Mudar o Rumo

Hoje permito-me inspirar pelo testemunho da querida Raquel.

Esta magnífica mulher com apenas 20 anos superou já uma depressão grave e anorexia.

A Raquel é estudante de Educação Básica e pratica ginástica artística de competição. Apaixonada por inspirar e ser inspirada, adora conhecer o mundo, journaling/ bullet journalalimentação saudável, fotografia, vídeo, estar de “de pernas para o ar” (ginástica), escrever e educação não tradicional/livre e alternativa.

No seu processo de recuperação, a Raquel recorreu a vários profissionais e terapias: psicólogos, psiquiatras, terapia PNL, acupuntura, reiki, massagem shiatsu e nutricionistas.

 

Olá, eu sou a Raquel e hoje quero partilhar contigo um bocadinho de mim!

Um dos meus maiores lemas e principal objetivo é cuidar de mim por amor! Algo que pode parecer tão simples e ao mesmo tempo ser um pouco mais difícil do que imaginamos... Mas compensa realmente muito quando nos começamos a sentir cada vez melhor e a sorrir cada vez que olhamos ao espelho em vez de desatar a chorar.

Este não foi sempre o meu lema de vida... Durante a minha adolescência sofri de depressão grave e, mais tarde, de anorexia. Foram anos de muito ódio e muitos maus tratos, em que eu era a minha pior inimiga. Escolher recuperar foi a escolha mais difícil que alguma vez tive que tomar e, ao mesmo tempo, a melhor de todas! Apesar de todo o sofrimento, da minha história não ser florida nem gloriosa, eu sei que agora posso sorrir e dizer “Eu tenho orgulho da minha jornada porque fui mais forte que qualquer doença e venci!”.

À medida que fui recuperando e percebendo a magia da vida apercebi-me que as mudanças não poderiam ser só a nível mental. O meu corpo estava intoxicado de tanta medicação que tomava após ter sido internada. Com tempo e o acompanhamento certo (algo muito importante! Aceitarmos ajuda profissional nestas situações, sem medos nem vergonhas), libertei-me de todos os químicos. Mas a destruição que me tinham causado era imensa e, juntamente com todos os danos que ao longo desses anos tinha feito a mim mesma algo precisava mesmo de mudar.

Sentia a minha luz a voltar, no entanto, o meu corpo continuava fraco, a minha pele seca, o meu cabelo estragado, as minhas unhas quebradiças, o meu estômago impedia-me muitas vezes de me alimentar e as dores de cabeça perseguiam-me. Com alguma pesquisa descobri a “alimentação verde”, aos poucos fui retirando a carne e reduzindo os processados. Hoje em dia adoto uma alimentação maioritariamente plant-based e, só ocasionalmente, como alimentos muito processados e açúcares refinados.

Aprendi, acima de tudo, a ouvir e respeitar o meu corpo. Aprendi, também, a dar-lhe amor e carinho que durante tanto tempo lhe fui incapaz de dar.

Só mais tarde percebi que não chega libertar-me das doenças mentais de que sofria nem mudar a alimentação. Todos os pensamentos que passam pela nossa cabeça, as pessoas de quem escolhemos rodear-nos, a forma como gerimos o nosso tempo e o que fazemos nos momentos livres... tudo isso importa!

Para cuidar de mim por amor eu escolho fazer coisas que me iluminam! Estar com pessoas que me inspiram! E nunca parar de aprender e evoluir! Para isso, leio livros de auto-desenvolvimento e amor-próprio, medito, faço yoga e ginástica, aprendo a conectar-me com a mãe Natureza, alimento o meu templo da melhor maneira que sei, elimino velhos padrões e crenças limitadoras, sorrio para cada pormenor e escolho seguir os meus sonhos, as minhas paixões!

Acredito plenamente que é possível recuperar! Sei a enorme força de vontade que é necessária e o quão importante é termos ajuda nesse processo, mas é possível!

 

O que poderei levar para a minha vida deste testemunho?

Que escolha poderei tomar hoje que mude o  meu dia e quem sabe a minha vida?

O que poderia mudar na minha vida se assumisse a minha vulnerabilidade e pedisse ajuda quando preciso?

 

Segue a Raquel: aqui!

Seg | 20.08.18

Panqueca XL

thumbnail_IMG_2711.jpg

A receita de hoje é super deliciosa! Demora cerca de 10 minutos a ser realizada e só precisas de 6 ingredientes, haverá algo mais simples?

 

Ingredientes:

// 1/2 banana

// 2 ovos

// 1 colher de sopa de farinha de amendoim

// 1 colher de sopa de farinha de linhaça

// 2 colheres de sopa de farinha de trigo sarraceno

// 1 colher de café de óleo de coco

 

Preparação:

Bate os ovos juntamente com as farinhas até obteres uma mistura homogénea.

Numa frigideira antiaderente coloca o óleo de coco e a meia banana cortada às rodelas.

Deixa fritar durante um ou dois minutos em lume brando e coloca o preparado anterior por cima. Quando a massa criar algumas bolhas na parte superior vira e frita do lado oposto.

 

Serve com o que mais gostares e delicia-te!

Sex | 17.08.18

O Caminho Faz-se Caminhando

IMG_0193.png

No passado fim-de-semana realizei uma das etapas dos caminhos de Santiago de Compostela. Sempre pensei tirar umas férias para realizar o caminho por completo desde o Porto, mas fui desafiada por amigos para fazer uma das etapas, o que se revelou uma experiência tão inspiradora, que talvez quem sabe até decida e faça mesmo o caminho por etapas.

Mas decisões à parte, o trajeto foi de aproximadamente 13 km e aliado às motivações ou intenções de cada um, religiosas ou não, o caminho pode ser realmente um momento mágico de grande inspiração.

 

Poderia falar da importância do foco, da auto-superação, da importância de dar um passo de cada vez, poderia até falar da importância da nutrição durante o caminho… em vez disso irei simplesmente partilhar convosco uma das experiências durante o caminho que talvez possa mudar a minha vida para sempre.

 

Durante o caminho cruzamo-nos com vários peregrinos, com os quais se trocavam um “bom dia”, “bom caminho”, uns olhares tímidos e sorrisos sinceros. Mas com um peregrino, o Sr. Andante (nome fictício), a troca de palavras prolongou-se acabando ele por contar a sua breve, mas tocante, história de vida.

 

O Sr. Andante iniciou o caminho dele no mês de Abril em Lourdes (França) passando por Santiago de Compostela com rumo a Fátima. No momento que o conhecemos o Sr. Andante tinha realizado já 1600km pelos próprios pés, somente com uma pequena mochila às costas. Referiu que ainda em Franças a neve fez com que alguns albergues se encontrassem fechados, tendo ele que dormir na rua à porta das igrejas abrigado do frio.

Impressionados com toda a sua história o Sr. Andante partilhou connosco o que o tinha levado a realizar esse percurso, e aí sim, toda a ideia pré-concebida que tínhamos de limites, superação e motivação foi questionada.

O Sr. Andante contou o motivo que o fazia estar ali mostrando todas as suas cicatrizes e marcas de vida, bem como um saco da algália que o acompanhava. Falamos de um estado geral debilitado, matematicamente falando em 60% de incapacidade, frutos de um atropelamento de carro, no qual o Sr. Andante foi esmagado contra uma parede. Esteve internado durante ano e meio e prometeu a si mesmo que se voltasse a andar caminharia desde Lourdes até Fátima.

 

O que poderei mudar na minha vida com o testemunho do Sr. Andante?

 

Naquele momento vários pensamentos e questões assolavam a minha mente.  Acredito que sou realmente grande, talvez maior do que posso imaginar, tenho em mim o que necessito para superar, alcançar, conquistar. E ao mesmo tempo, sou tão pequena, afinal comparado com a imensidão do universo o que representam os meus problemas e questões?

 

Que possa eu, ser um Sr. Andante, que no caminho da vida traga comigo a fé que me leve lá; a motivação que me permita andar, mesmo que a força falhe; mas que comigo carregue simplesmente o necessário e fundamental: os sorrisos, os momentos, os abraços e a beleza de ser real e simples.

Seg | 13.08.18

Onde Está o Meu Foco?

IMG_0192.png

A nível do desenvolvimento pessoal muito se fala do foco.

Na minha miopia o foco está intimamente ligado à intenção.

O foco é realmente importante quando quero atingir determinado objectivo, pois garante que apesar das pedras no caminho e possíveis tropeços, o foco fará com que me recorde sempre do sítio onde quero chegar. E talvez, apesar do caminho, o foco me leve lá.

 

Assim, o foco é realmente fundamental, a nível de objectivos futuros. Mas terá interesse a curto prazo?

 

Provavelmente já ouviste alguma meditação que te pede para focares na tua respiração. O foco na minha respiração poderá permitir que consiga relaxar mais facilmente.

Se nunca tiveste esta experiência, desafio-te agora a que o faças, vê aqui como.

 

E se a cada dia o meu foco fosse o bom e positivo de cada experiência?

Agora que compreendo a importância do foco será útil tomar atenção ao meu próprio foco?

Será que o sítio onde está o meu foco poderá definir algo na minha vida?

E se eu acreditasse, como tão bem diz o Pedro Vieira, que "onde está o meu foco flui a minha energia" o que poderia mudar na minha vida?

Ter | 07.08.18

Waffles de Limão

ad1826e1-5171-437f-8a12-6704e5683011.jpg

Longas tardes de verão pedem lanches reforçados, e nada melhor que uns waffles de limão para refrescar.

Para a receita utilizei uma das minhas mais recentes e fantásticas descobertas: óleo essencial de limão da dōTERRA. Este óleo além de funcionar como aromatizador da casa pode ser digerido, o que tem facilitado o meu ritual matinal do copo de água com limão, mas além disso poderá ser útil nalgumas receitas como esta.

Obrigada desde já à querida Mónica que me aconselhou experimentar o óleo! Reticente quanto a óleos essenciais de limão, levou-me a experimentar este e adorei! Além das propriedades desintoxicantes e antioxidantes, promove o bom humor. Para poderes experimentar: clica aqui.

 

Ingredientes:

// 2 ovos

// 6 colheres de sopa de trigo sarraceno

// 200ml de água

// 1 colher de sobremesa de psyllium husk

// 1 colher de sopa de sementes de chia

// 2 gotas de óleo essencial de limão

 

Preparação:

Coloca todos os ingredientes excepto as sementes de chia na liquidificadora e bate até obter uma massa homogénea.

Adiciona as sementes de chia e mistura sem bater.

Coloca uma concha de sopa de massa na máquinda de waffles pré-aquecida. Cozinha por 8/10minutos. O tempo de cozedura vai depender da máquina. 

Serve com o que mais gostares e delicia-te!

Pág. 1/2