Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplesmente Simples

Simplesmente Simples

Qua | 27.02.19

Como Influenciar Através da Publicidade?

ACS_0027.JPG

Hoje ao chegar a casa, para não variar, tinha vários folhetos de publicidade na caixa de correio. Durante a viagem de elevador, faço normalmente a pré seleção do que será para ler e o restante vai diretamente para o lixo (devia haver uma forma de só recebermos em casa o que for de encontro aos nossos interesses).

Contudo, hoje um dos folhetos apesar de não me suscitar qualquer interesse comercial, tinha uma frase de marketing que me chamou a atenção:

 “Um sorriso perfeito! Há quanto tempo sonha com ele?”

 

Então, eis que me surgiu alguma reflexão... De que forma até a própria publicidade influência a minha vida?

A minha mente inconsciente está sempre alerta e capta tudo, mesmo aquilo que penso não prestar atenção. O que significa que, de certa forma, tudo o que me rodeia acaba por interferir com a minha vida, o meu estado emocional, os meus resultados,… E claro, que o marketing e os média não são exceção. Tudo o que me rodeia programa o meu sistema. De que forma escolho me programar?

 

Quem se recorda da mítica frase: “Se não cuidar de mim, quem cuidará?”. Ainda bem que existem slogans e frases que nos transportam para a nossa melhor versão, mas, nem sempre é assim. Nem todas as marcas me elevam e nem todos os slogans acrescentam valor à minha vida. Assim, é fundamental estar atenta a tudo o que me rodeia, ao que vejo, ouço... Esta simples questão acerca do meu sorriso subentende que o meu sorriso não é perfeito, então a minha autoestima claro que fica de certa forma afetada; o meu inconsciente (apesar de não prestar atenção conscientemente) leva essa questão e transporta-a para o meu próprio Ser.

 

Decido por isso, fazer um apelo às marcas, para que contribuam para a felicidade, para a nossa evolução, para a nossa melhor versão. Faço um apelo a ti (e a mim), que atentemos ao que nos rodeia e tenhamos a consciência de cada programação que nos chega desde o exterior.

Sim, cuido de mim (se não, quem cuidará?) mas sim, posso considerar o meu sorriso perfeito (mesmo que com imperfeições e mesmo que não o sinta da mesma forma todos os dias). O sorriso é a expressão mais pura da felicidade, haverá felicidade imperfeita? Então  o porquê de sorrisos imperfeitos?

 

Seg | 18.02.19

Serão os Sentimentos Assim tão Importantes?

Cópia de E se cada pessoa me pudessse cnsinar alg

Há cerca de um mês fiz uma breve formação de Inteligência Emocional, na qual durante uma aula nos dirigiram uma questão.

 “Qual o sentimento que mais está presente na tua vida? Qual o sentimento que mais aparece quando queres agir?”

Defini o meu sentimento, mas o que de facto me trouxe alguma reflexão foi a observação das pessoas que me rodeavam. Não sei o que cada pessoa escreveu e respondeu, mas sei que o sentimento que veio com essa resposta não foi de todo positivo.

 

Sobre essa reflexão quero hoje partilhar 3 pontos:

#1. Mais importante do que como sinto, é como me sinto pela forma como me sinto. Posso num determinado momento sentir raiva, por ex., e sentir raiva é um sentimento como qualquer outro, está tudo certo. A questão é que talvez fique com raiva por me sentir com raiva, e aí alimento-a e dou-lhe ainda mais expressão. Em vez disso, talvez possa assumir que estou com raiva e amá-la, aí provavelmente ela poderá perder expressão e ainda poderei brincar com o facto de sentir raiva diminuindo-a.

#2. O que senti no passado não me define. O sentimento predominante na minha vida até este momento pode ter sido o medo, por ex., mas isso não significa que sempre irei sentir medo nem que eu sou esse medo. Cada momento é um ponto zero, onde posso fazer novas coisas e descobrir novos sentimentos.

#3. Sou eu que defino o que fazer com cada sentimento. Até posso sentir frustração, mas talvez essa frustração seja indicadora de que algo na minha vida não está bem, o meu trabalho, a minha relação, por ex. Talvez seja importante estar atenta à forma como me sinto e além disso decidir o que fazer com isso. Vou continuar a sentir esta frustração, ou o que posso fazer para mudar isso?

 

Sex | 08.02.19

Faz e Sê Mais e Melhor (q.b.)

Cópia de E se cada pessoa me pudessse cnsinar alg

Numa era de ser melhor, fazer melhor e atingir objetivos tenho refletido sobre a urgência de parar, apreciar e celebrar.

Andei numa fase em que saber ferramentas para ser melhor e criar a vida que desejo levou-me a querer mais e mais e mais...

Passou-se da fase de patriarcado com estudos, conhecimentos e obrigações, para uma época em que cada um pode ser livre e criar a sua vida e a sua realidade feliz. Que bom! 

Mas será que nessa busca incessante de criar e ser melhor não deixamos de lado de certa forma o amor e a celebração? Passamos de um patriarcado de padrões e limites, para um patriarcado livre, mas ainda assim patriarcado. Porque mesmo assim, onde fica o amor por mim? Onde fica o sentir? Se busco sempre melhorar e alcançar mais, onde fica o amor por mim, por quem sou e pelo que tenho?

Matriarcado não julga. E continuo constantemente a julgar o "sítio" onde estou para poder mudar para um "sítio" melhor. Continuo a julgar-me a mim, porque ainda tenho este ou aquele pensamento e tenho de mudar.


Que se f*%#^!!!


Posso querer mais. Posso alcançar mais. Posso investir em mim para ser mais e sentir-me melhor. Mas vou parar e apreciar! Vou amar-me e celebrar cada passo.
Vou respirar, sabendo que pode ser melhor, mas respirar com a certeza de que o que está, está certo. Que o que tenho é tão bom. Que eu sou luz e amor e o resto virá. Está tudo certo e é o que é.

 

Seg | 04.02.19

Sorte ou Azar?

“Hoje acordei entusiasmada! Começam as férias e para festejar ia passar uns dias num país nórdico que há muito ambicionava conhecer.

Tomei o pequeno-almoço no conforto e tranquilidade de minha casa e segui até ao aeroporto.

A cada minuto, a alegria era maior: férias, viajar, tudo a correr como tinha planeado, tinha tudo para correr bem!

No aeroporto, as tremendas filas do costume, mas hoje vim com bastante tempo de antecedência para não haver percalços!

Contudo, perto da hora de embarque a exacerbada alegria foi rapidamente substituída por tristeza e alguma ansiedade: o voo ia sair atrasado...

Passado 1h lá estávamos a levantar voo, e a desculpa que nos deram foi uma revisão na mecânica do avião.

Claro que as férias iam ser péssimas, já estavam a começar mal, sou mesmo azarada!”


“Hoje acordei a hora do costume, mas em vez da rotina habitual do trabalho, fui directa ao aeroporto. Mais uma viagem para visitar a minha irmã, que bom! Tomei o pequeno-almoço e lá fui eu toda entusiasmada para o aeroporto.

Aquele tempo de espera para saber a porta de embarque causa-me sempre alguma ansiedade, principalmente quando faço escala para apanhar outro avião em pouco tempo.

Entramos no avião, tudo a correr bem, mas a embarcação de todos os passageiros demorou um pouso mais do que o costume... e com isso o medo de não apanhar o outro avião e ficar em terra.

Apesar do temporal o voo correu bem, mas com o tempo a passar cresceu também a ansiedade de não chegar hoje ao destino.

Mas hoje foi o meu dia de sorte! O segundo avião saiu atrasado devido a uma revisão da mecânica! Basicamente tive tempo de chegar ao aeroporto, ir ao wc e entrar no segundo avião! Sorte a minha!”

 

Afinal o que será a sorte e o azar?

O que estas histótias podem acrescentar à minha vida?