Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simplesmente Simples

Simplesmente Simples

Seg | 29.07.19

Exigente q.b.

Na minha vida considero que sempre fui um pouco exigente. Exigente em relação a como devia ser, exigente em relação às minhas atitudes, exigente em busca de uma perfeição procurada, mas nunca alcançada…

Resultado dessa exigência vivi tensões físicas, mentais e emocionais. E hoje questiono-me até onde me levou essa exigência?

Quando me comecei a dedicar mais às redes sociais e quando me comecei a debruçar sobre alguns temas como o marketing digital, dei por mim a criar uma estratégia para que a página fosse visualmente atrativa. Então, a ideia seria imagens nos mesmos tons e cores e a cada 2 imagens colocaria uma frase. Vivi nesse padrão até ao ponto em que me debrucei verdadeiramente no porquê e para quê de agir assim.

Queria transmitir uma mensagem de liberdade, de autenticidade, de felicidade… e o que estava eu a fazer? A fechar-me numa caixinha para uma página visualmente atrativa. Então lá vinha a exigência, a perfeição… Essa exigência fez com que nalgumas alturas as publicações me trouxessem ansiedade em vez de liberdade. Essa exigência trouxe-me menos autenticidade, porque estava a colocar-me numa “caixinha padronizada” …

Então, quebrei essa exigência e agora as publicações surgem quando têm de surgir, na cor que tiver se ser, sem exigências!

Sentindo esta descontração e leveza que esta pequena mudança trouxe à minha vida reflito em que mais áreas poderei estar a ser exigente? E se baixasse a exigência que sentimento agradável traria à minha vida? Onde posso baixar a exigência agora?

 

Ter | 09.07.19

O Que Diz a Tua Barriga?

Era uma vez uma barriga gorda. Esta não era uma barriga qualquer, era uma barriga gorda que vivia num corpo de uma mulher.

Contudo esta barriga estava deprimida, então tentando dar-lhe algum alento, o amigo peito perguntava-lhe:

“Oh barriga, mas o que se passa contigo? Estás com um ar tão triste.”

Ao que a barriga lhe respondeu: “Sabes, estão sempre a chamar-me gorda e feia. Sinto-me tão rejeitada! Tu não percebes, porque a ti todos te elogiam e chamam de atraente.”

E o peito, continuando a querer animar a barriga respondeu:” Barriga, não fiques assim. Apesar de seres gorda também não há motivo para te rejeitarem. Vamos fazer uma assembleia geral e comunicar com os braços, as pernas... a ver se te conseguimos ajudar.”

A barriga ficou ligeiramente mais aliviada.

 

No dia da assembleia todos estavam muito ansiosos, sem saber o que se passava...

O peito explicou tudo, mas apesar disso todos os presentes sentiam alguma dificuldade em perceber as razões da tristeza da barriga.

Então, bastante emocionada, a barriga tentou explicar a todos: “Sou constantemente chamada de gorda. Ninguém gosta de mim! Ou sou gorda, ou sou demasiado magra, ou não tenho abdominais definidos.. Mas na verdade sou eu o futuro da humanidade. Em mim vive o mistério da vida. Sou capaz de gerar vida e em mim vive a força da mulher e o futuro do mundo!”