Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Simplesmente Simples

Simplesmente Simples

Sobre Persistir e Mudar

Assim se abre uma nova rúbrica aqui no blog. A intenção é continuar a inspirar-me/(vos) a ser uma pessoa mais feliz e viver a minha melhor versão todos os dias.

Poderei trazer alguns convidados, conhecidos das redes ou não, que com a sua história ou testemunho, me poderão inspirar.

Caso gostassem de ler ou ouvir alguém especial avisem! Ou, quem sabe, possam vocês mesmo contribuir neste espaço.

Espero que gostem!

  

Para celebrar o início desta rubrica, trago-vos um testemunho de uma linda mulher que com 17 anos teve a coragem e ímpeto para alterar todo o seu estilo de vida.

A Mariana encontra-se a terminar o ensino secundário e há cerca de 2 anos mudou por completo o seu estilo de vida. Vegan por opção, é apaixonada por yoga e estilo de vida saudável.  

 

Já faz mais de dois anos desde que mudei radicalmente a minha alimentação. Lembro-me como se fosse hoje, apesar do tempo passado. Tudo começou com um documentário. Ele não é muito conhecido, mas nem sempre os mais conhecidos são os melhores e os que causam mais impacto. Estou a falar do “A Carne é Fraca”. Provavelmente nunca tinhas ouvido falar, o que é normal, uma vez que só se vêm comentários ao “Cowspiracy” e ao “Earthlings”. Os temas são semelhantes, uns centram-se mais nos animais, outros no ambiente, mas vai dar tudo ao mesmo: veganismo.

Mas afinal o que é o veganismo? O veganismo não é mais do que a exclusão de todos os alimentos oriundos do reino animal da alimentação e também de todos os produtos com ingredientes não vegetais e testados em animais. Basicamente, tudo o que envolve animais, os vegans não consumem ou utilizam.

Para ser honesta, não terminei o documentário que falei anteriormente. Não que fosse maçante ou eu tivesse algo mais interessante para fazer, eu apenas não conseguia ver mais a realidade que ele me mostrava. Eu só pensava “Porque é que eu faço parte disto?”. “A Carne é fraca” apresenta-nos a crueldade que é feita nos matadouros, incluindo todos os processos pelos quais os animais passam desde que lá chegam, até à sua morte.

Com todas aquelas imagens que os meus olhos viam, a minha mente estava numa confusão e com constantes interrogações. “E agora? Eu não quero comer mais carne”.

Parece-me importante falar de como era a minha alimentação antigamente. “Terrível” parece-me um bom adjetivo para a descrever e não, não estou a exagerar. Eu vivia bem à base de fritos e refrigerantes. Frutas ou legumes? Contava-se pelos dedos as vezes que eu os ingeria. Eu tinha consciência que não era o correto, eu sabia que devia comer melhor, mas eu não o fazia, já estava programada para a alimentação processada.

Após o documentário eu soube que tinha de mudar, a minha mente soube que tinha de mudar. Se eu queria ser vegetariana, eu tinha que mudar. E assim foi. Não sei explicar exatamente a rapidez da minha mudança, mas acho que a melhor frase que posso dizer é: Quando queres muito uma coisa, tu consegues. Acho que estou sempre a responder isto às pessoas quando elas me questionam se foi difícil tornar-me vegan. Não, não foi.

Se comendo produtos animais eu tinha anemia, o que é que me aconteceria se eu continuasse a comer da maneira que comia retirando carne, peixe, ovos e laticínios? Bem, provavelmente adoecia. Eu percebi que tinha que me tornar mais saudável e para ser honesta, não foi tão difícil como eu pensava. Aquelas imagens do matadouro foram como um click para a minha mudança e agora não me vejo a comer como antes nem sinto saudades. De forma alguma. Quanto à minha anemia? Já era.

Tal como referi num parágrafo anterior, sou abordada constantemente sobre a dificuldade da mudança, as pessoas dizem-me que gostariam de ser como eu, de ser vegan, mas não conseguem. Lamento dizer, mas quando é algo que se quer realmente, é fácil de se atingir o objetivo. Isto não se aplica apenas à alimentação, aplica-se a toda a vida. Se nós queremos algo, nós conseguimos. Se não conseguimos, então é porque não queremos verdadeiramente essa coisa. É assim que eu penso. Está tudo na nossa mente. Foquem-se num objetivo e não desistam dele perante as dificuldades. Tornar- se vegan pode ser um objetivo e pode nem ser difícil de o atingir, mas na nossa vida deparámo-nos com uns que parecem não ser possíveis, mas são, acreditem que são. Persistam, insistam e nunca desistam. A mudança não é difícil.

 

 O que será que posso levar para a minha vida deste testemunho?

Será que se levasse na minha vida a mesma coragem e persistência que ela poderia mudar ou melhorar algo na minha vida?

 

Segue a Mariana: aqui!

2 comentários

Comentar post